BLOG - MAURICIO MARTINS

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Eleições nos EUA

Depois da “Super Terça”, o resultado do lado dos democratas não foi muito diferente do esperado: nada decidido. Permanece a dúvida sobre quem será o candidato do partido: Hillary Clinton ou Barack Obama? Hillary obteve vitórias importantes em Nova York e na Califórnia, estados com grande importância na disputa. E, embora ela esteja levemente na frente na disputa pelo número de delegados do partido, Obama não está muito atrás. A polaridade na disputa democrata deve continuar, ao menos pelos próximos meses. Enquanto isso, os republicanos praticamente decidem o nome do partido para a disputa da presidência norte-americana: o senador John McCain. Segundo analistas, os republicanos podem tirar vantagem do fato de decidirem o candidato para a disputa antes dos democratas. Enquanto os democratas dividem as forças entre dois candidatos, os republicanos se concentram em somente um candidato. Esse consenso pode ajudar McCain a manter o seu nome em evidência e, quem sabe, sair na frente na disputa pela cadeira que hoje pertence a George W. Bush.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2008

Super terça!

Madrugada de quarta-feira no Brasil, e permanece a expectativa quanto as prévias eleitorais nos Estados Unidos.

Em plena super-terça, quando 24 Estados norte-americanos escolhem qual candidato representará os partidos democrata e republicano, segue a dúvida: Hillary Clinton ou Barack Obama? A disputa segue acirradíssima!

terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

De volta! E falando de economia...

Espero conseguir manter uma maior regularidade nas postagens aqui no blog, porque infelizmente vem me faltando tempo para isso (sei que é cliche dizer isso, mas...).

Bom, falando de economia, as coisas até certo ponto tinham melhorado, mas o que vimos nesta terça-feira 05 de fevereiro foi, novamente, um dia de fortes perdas nas bolsas mundiais, especialmente nos Estados Unidos. O temor, mais uma vez, é de uma recessão na economia norte-americana.

E, em um momento de prévias eleitorais nos EUA, acompanhadas atentamente pelo mundo todo, uma coisa fica clara: seja qual for o presidente eleito, ele receberá o legado de uma economia combalida pelo fantasma da recessão e com déficits comerciais e públicos crescentes...Pegue os dados da economia norte-americana antes e depois do presidente George W. Bush. O que pode ser visto é uma deterioração dos principais indicadores, em especial pelas Guerras no Afeganistão e no Iraque. Não se pode, entretanto, deixar de mencionar que os Estados Unidos estiveram a beira de uma desaceleração economica em 2001, em especial com os atentados de 11 de setembro de 2001, e isso foi o início dos gastos do governo norte-americano. Mas também é preciso pesar que, o superávit deixado pelo presidente Clinton, virou um grande déficit. Caberá ao novo presidente, a partir de janeiro de 2009, administrar as finanças da maior economia do planeta. E não será fácil.