BLOG - MAURICIO MARTINS

quarta-feira, 28 de maio de 2008

E se foram os tempos de glória da VARIG....

Hoje publico uma reportagem do Jornal Gazeta Mercantil, do dia 26/05/2008. Um belo texto da jornalista Ana Paula Machado, que deixa com saudades todos os que conheceram (in loco, ou que ouviram falar) a antiga VARIG. Companhia aérea que por muitas décadas levou a identidade brasileira para o mundo todo e que foi o orgulho de todos os Brasileiros. Digo FOI pois a Varig, na verdade, não existe mais. Pelo menos não com a identidade e da forma como ela era antigamente. De uma companhia que chegou a ter mais de 120 aviões, entre eles imponentes Boeings 747 (nas épocas passadas) e modernos Boeings 777 mais recentemente. É uma pena que se tenha deixado a velha VARIG tomar um vôo sem volta, deixando na mão os brasileiros que tinham orgulho de viajar nela e mais ainda na mão os seus ex-funcionários, aposentados que hoje não recebem a sua aposentadoria do falido fundo de pensão AERUS. É uma triste história, que todos conhecem. Acho que o texto da jornalista Ana Paula Machado traz um excelente retrato da VARIG como ela é hoje. Excelente na descrição e na riqueza de detalhes do texto. Porém triste, por saber que "os bons tempos da Pioneira" não voltarão.

___________________________________________________________
OS BONS TEMPOS DA VARIG NÃO VOLTAM MAIS

Preço do petróleo joga pá de cal na esperança da companhia retomar vôos intercontinentais

(Ana Paula Machado)


A Gol Linhas Aéreas compra a Varig. Reacende-se a esperança do renascimento da companhia que já foi de longe a aérea mais representativa do País. Maio de 2008. A Gol cancela todos os vôos intercontinentais operados pela Varig. "No momento não pretendemos retomar essas rotas. Não está nos nossos planos", sentenciou o presidente do grupo, Constantino de Oliveira Junior. A escalada do preço do petróleo e a concorrência com as grandes empresas internacionais fizeram a Gol tomar uma atitude que frustrou grande parte dos brasileiros. "Ninguém imaginava que em um ano o preço do petróleo chegaria a mais US$ 120 o barril. É muito difícil concorrer com as companhias internacionais que cada vez mais ganham mercado nas rotas de longo curso nas ligações com o Brasil, um país que vem crescendo e atraindo as grandes operadoras", disse Oliveira Junior. As estrangeiras estão ganhando mercado aceleradamente. Um estudo elaborado pelo Núcleo de Economia Industrial e de Tecnologia (Neit) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), mostra que de 2001 a julho de 2006 a participação das companhias brasileiras nas rotas internacionais despencou de 51,9% para 28,5%. O coordenador do estudo, o professor e pesquisador Marcos Barbieri interpreta como uma das causas centrais para essa queda a operação falha da Varig, que perdeu vários mercados quando passava por crise financeira. "Até a ''falência'' da Varig o mercado estava equilibrado. De repente, a participação das brasileiras despenca e as estrangeiras tomam conta. Isso foi ruim para o País porque perdemos a chance de ter uma companhia forte mundialmente", diz Barbieri. Segundo ele, nem mesmo a TAM Linhas Aéreas, que hoje detém o monopólio nas rotas internacionais das empresas brasileiras poderá recuperar o prestígio e a expertise da Varig em seus tempos áureos. "Leva tempo construir uma imagem no mercado mundial, principalmente em um setor que hoje se fortalece com fusões. Para se ter operação lucrativa em tempos de crescimento da demanda e também de custos é preciso ser forte economicamente", afirma Barbieri. "A Varig construiu sua imagem de grande empresa mundial durante décadas. Foram mais de 80 anos de operação. E o Brasil perdeu isso. Perdeu a grande chance de se firmar no mercado internacional com a Varig", ressaltou o pesquisador da Unicamp. Ainda no entendimento de Barbieri, a retomada da operação internacional da Varig sob controle da Gol foi dificultada pela débil estrutura operacional. "A Varig mantinha, apesar de inchada, uma estrutura em cada país que atuava, além de participar de alianças operacionais que facilitavam toda a operação internacional. Quando acabou, não tinha mais como retomar. É difícil recuperar a imagem de uma empresa falida", diz Barbieri. Quando iniciou operações internacionais, na década de 50, a Varig servia apenas os Estados Unidos e países da América do Sul. Com a controvertida falência da Panair em 1965, o governo militar concedeu à Varig todas as rotas internacionais. Lembre-se que a Panair tinha como principais destinos a Europa e algumas capitais sul-americanas, que interessavam a Varig e a Cruzeiro do Sul. Numa manobra polêmica, as duas empresas influenciaram o governo a decretar a falência da Panair para assumir as suas rotas. A situação foi tão inusitada que poucas horas após o anúncio do fechamento da Panair, a Varig já estava operando as linhas da ex-concorrente. O monopólio de fato da Varig em rotas internacionais veio com a aquisição da Cruzeiro do Sul, em 1975. O curioso é que essa negociação não tinha a Varig como protagonista, mas sim, a Vasp, que já dava como certa a compra da Cruzeiro do Sul e, por isso, oferecia valor muito abaixo do mercado. Os diretores da Cruzeiro resolveram, então, oferecer a empresa à Varig que fez proposta melhor e saiu vitoriosa. Apesar de continuarem empresas distintas, foi feita uma racionalização de serviços entre ambas, para evitar, por exemplo, a superposição de rotas e horários. Em 1993, a Cruzeiro foi inteiramente absorvida. Ex-diretor do extinto Departamento de Aviação Civil (DAC), o ex-ministro da Aeronáutica, Mauro Gandra diz que uma das causas para a quebra da Varig e de todo o prestígio que representava no exterior foi a falta de atitude do governo brasileiro. "Dentro do espírito neoliberal do governo Fernando Henrique Cardoso, não era permitido ajuda às empresas aéreas. Isso acabou com a Varig", diz Gandra. "O negócio de aviação não é um bom negócio. Só se sobrevive com algum tipo de subsídio", ressalta. Gandra cita a atitude do governo norte-americano que aprovou recursos para as companhias aéreas logo após o ataque às torres gêmeas em 11 de setembro de 2001. "Foram aprovados cerca de US$ 20 bilhões a fundo perdido, para dar fôlego às empresas em tempos de demanda baixa. Mas, os norte-americanos entendem que aviação é um negó-cio primordial para o crescimento da economia, o que ainda não é percebido aqui no Brasil", acrescenta o ex-ministro. "Hoje, as empresas norte-americanas estão entre as maiores do mundo e aumentaram a presença no Brasil, também em detrimento do setor nacional", ressalta Gandra para quem as empresas estrangeiras que atuam no Brasil remeteram US$ 2 bilhões a seus países somente no ano passado. "Quando tínhamos uma situação de igualdade no mercado, a Varig faturava cerca de US$ 1 bilhão, somente nas rotas internacionais. Isso foi perdido pela imprudência do governo federal", opina Gandra. Para o ex-diretor do DAC, será difícil o Brasil ter uma companhia com representantividade mundial nos próximos anos. "Há estudos que mostram que em 15 anos apenas 10 grandes empresas aéreas comandarão o mercado, entre elas quatro norte-americanas e quatro européias. Acho difícil ter uma brasileira na lista das maiores", afirma. Segundo Gandra, para ser forte no mercado internacional a empresa aérea dever ter uma base estruturada nos vôos domésticos. "Com isso, as companhias, principalmente norte-americanas, podem competir de maneira até mesmo predatória nos vôos internacionais. Elas têm a garantia de um doméstico forte - cerca de 75% da receita dessas empresas é gerada nas rotas internas de seus países de origem", afirma. Gandra ressalta que mesmo a TAM, líder no mercado doméstico, não consegue competir igualmente com as companhias estrangeiras. "Ela é forte no Brasil, mas ainda engatinha no mundo. É difícil ter representatividade que a Varig teve. Por isso, fica difícil acreditar que o País terá uma companhia entre as grandes mundiais", acrescenta. "Sinto saudades da ''estrela'' da Varig".

Fonte: Gazeta Mercantil // 26-05-2008 (pág.6; Caderno C)

_________________________________________________________________

Marcadores: , ,

1 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]



Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial